terça-feira, 4 de maio de 2010

O meu avô morreu

Olá, Francisco!
Tenho andado muito ocupada e não te tenho ligado nenhuma.
Novidades? Sim, há muitas. O meu avô morreu. E eu que pensava que não ia sentir a sua falta! Mas fiquei triste, fez-me confusão vê-lo dentro do caixão, parecia adormecido, estava bonito, bem vestido, com a barba feita, o cabelo muito alinhado. Parecia que a qualquer momento se ia levantar e perguntar: Que estão todos aqui a fazer?
A minha avó envelheceu cem anos de ontem para hoje. Ela é baixinha, mas hoje está ainda mais pequenina, os olhos baços de tanto chorar, as mãos e a voz a tremer. O meu pai não chora, tem o semblante tão carregado, parece de pedra! A minha irmã ainda não sabe, a minha mãe disse que só lhe dizemos quando chegar, não quer que ela se aflija. Ela chega esta noite, vem depois das aulas. A minha tia, irmã do meu pai, chora tanto! Está com remorsos, o pai morreu zangado com ela. Agora já não podem fazer as pazes. A minha mãe soube durante uma aula, esta manhã. Quando recebeu o telefonema do meu pai, virou-se para o quadro e começou a chorar, os alunos ficaram aflitos, rodearam-na a perguntar o que tinha acontecido. Ela só conseguiu dizer-lhes que arrumassem as coisas e que saíssem. Eles deixaram tudo na sala e foram chamar a funcionária e levaram-lhe um chá.
Morreu o pai do meu pai e ele não chora! Eu também não chorei à frente de ninguém, só um bocadinho no meu quarto. Ninguém viu!
Vou para a escola, não me apetecia nada ir! Mas já sabes como é a minha mãe! Ela diz que temos de fazer a nossa vida normal, que já não podemos fazer mais nada pelo meu avô, só rezar pela sua alma. Houve logo alguém que disse: Enterram-se os mortos e cuidam-se dos vivos!
Até amanhã!

1 comentário:

  1. Enquanto houve mentes brilhantes como a sua a qual posta coisas maravilhosas haverá sempre um balde de gelo no qual poderá com poucas ou muitas palavras expor seja lá como for aquilo que sua linha da imaginação possa ela crias sempre estará parte daquilo que és daquilo que nos revela numa simples imagem assim como ti na sua mais pura simplicidade de mulher que és no intimo que fora criada posta sempre algo referenciando a fragelidade a força e as virtudes da mulher naquilo que és mulher. Obrigada linda por fazer o mesmo retribuindo de bom grado minha visita no seu blog o qual já esta em meus favoritos guardado com muito carinho em meu coração.... Jamais a questionarei por que não a o que questionar tudo é perfeito e feito de uma tamanha magnitude que são meramente expressas de uma maneira tão suave e simples como se escrevesse cada palavra e cada linha com o sopro e a suavidade de sua respiração que nos faz crer que na simplicidade daquilo que fora criada mulher tem o poder e o dom da escrita na sua pura feminidade....Um forte abraço e um bj bem no seu coraçãozinho....
    http://www.uanderesuascronicas.blogspot.com
    Convido-a fazer parte do meu blog...

    ResponderEliminar